domingo, 20 de julho de 2014




                                                        DIA DO AMIGO



                 
           
   

               Será que amigo precisa ser lembrado em um único dia? Sabemos que não, mas assim como               outras datas viu-se a necessidade de dedicar um dia exclusivamente a ele.Pela sua importância em                 nossas vidas. Um dia para lembrá-lo de que ele faz parte dos acontecimentos de nossa vida, e, de que         também estamos aqui para amá-lo.         
                                                                                                                                  .                                               Amigo que muitas vezes é aquele irmão que gostaríamos de ter como irmão, e que Deus na Sua          infinita bondade nos presenteou com essa denominação.
              Amigo, como já foi cantado como algo que se deve guardar do lado esquerdo do coração.                  Pura verdade.Pois mesmo à distância é capaz de torcer pelo nosso sucesso, desprovido de                          nenhum egoísmo e inveja. Aquele que é capaz de sorrir ou chorar conosco,confraternizando e                      compartilhando dos nossos sentimentos.Aquele que é capaz de nos entristecer por ter a coragem                  de nos dizer a verdade por mais que não queiramos ouvi-la.Enfim, aquele que estará sempre                        presente, mesmo ausente,estranho, não? Mas esse é o sentimento que desperta em cada um de                    nós quando se tem um verdadeiro amigo.
                    E foi pensando nos meus amigos,que escrevi essa singela e carinhosa homenagem.
                                           Um feliz Dia do Amigo!!!!!

                                                                    (Velu)
                                                                               

quarta-feira, 16 de julho de 2014


                                                              Fui...

                                             Visto-me dos meus versos simplistas
                                             Sem cadência e rebuscos
                                             Saio de cena já saudosa
                                             Poetisa chorosa em soluços


                                             Na bagagem um amontoado
                                             Muitos verbos,pronomes e redundâncias
                                             Vão-se gerúndios,tu e eu
                                             Poupando-os dessa lambança


                                             Gravem! Vou mas voltarei
                                             Porém,bem mais iluminada
                                             E esses versos tão bizarros
                                             Servirão só de risadas
                                                              Vera Lúcia ( Velu)

segunda-feira, 30 de junho de 2014


                                      A chuva 
                                  
                          
                             Encanta-me o cair da chuva
                             Em belos fios transparentes
                             Às vezes cai serena e fina
                             E mexe com a vida da gente

                             Tem um poder tão profundo!
                             Dançando graciosamente
                             Com a terra gentil companheira
                             Embalando os sonhos da gente

                             Temida às vezes ela chega
                             Raivosa tal qual a serpente
                             Sobre a forma de protesto, 
                             Chamando a atenção da gente

                             Talvez como um grande amor
                             Bela, meiga, impaciente
                             Esconde estranhos mistérios
                             Transformando a vida da gente

       

                                        Vera Lúcia

                              
                              

sexta-feira, 6 de junho de 2014

                                            Hino a Escola José Garcia Leal

                                          Belo passado nos ficou como legado,
                                          Histórias tantas aqui foram construídas.
                                          Conhecimento, respeito e liberdade,
                                          Juntos conduzindo as nossas vidas.
                                             
                                          Desbravador e destemido cavalheiro,
                                          Contribuiu para um encontro cultural.
                                          Entre passado, presente e o futuro,
                                          Nobre e valente José Garcia Leal.

                                          Passado tão presente na memória,
                                          De um povo diligente e varonil.
                                          Preparando cidadãos bem conscientes,
                                          Grandes tesouros e orgulho do Brasil.  

                                          Homem e cultura num só pensamento,
                                          Enriquecer o contexto social.
                                          A passos largos chegando aqui progresso,
                                          Com a escola José Garcia Leal.

                                         Minha escola é uma bela poesia,
                                         Que transforma o sonho no real.
                                         Nela reinam a paz, o saber e a alegria,
                                         Salve! Salve! José Garcia Leal.


                                                     ( Homenagem da professora Vera Lúcia M Resende)



                                                

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Resultado: 24 pontos

Eu tenho um excelente vocabulário.

Teste Seu Vocabulário.

Oferecimento: InterNey.Net

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Desconforto

            Tento esvaziar a minha cabeça num exercício descomunal. Você já tentou ficar um minuto sem pensar?Impossível!!!!!
            Tento buscar outros pensamentos de momentos felizes que outrora vivi e acabo numa astenia imensurável. Logo percebo que essa coisa arrebatadora é astuta e desprovida de compaixão. Dá-se aí o momento da entrega total. Enfrentando inimigos internos e externos. Graças a Deus acho que não tenho  inimigos externos. Se os tenho não tiveram a coragem de se revelarem. Nessa entrega posso ter os seguintes comportamentos:
    -choro um choro frio, sem motivo, em que as lágrimas parecem cessar só ao cair a  última gota.
    -minha ira floresce ficando a flor da pele;
    -posso também cair num sono profundo sem vontade de acordar;
    -odeio  ordens;
    -detesto esperar;
            Algo chega me assola como um turbilhão, sem prévia e sem por que;
            Às vezes nem permite uma análise para que eu possa decifrar.
            Então tento usar os recursos que possuo nesse momento de fragilidade. Esforço-me para soprar para longe a visita indesejável desse cruel inimigo invisível, porém dolorido.
    -não suporto perguntas idiotas e minha paciência fica zerada.
    -não repito o que já disse.
         Como por ironia, justamente nesses dias que começam brotar a minha criatividade, mas crio quando um impulso enorme me invade. Sigo o meu ritmo, que vai aumentando no auge do confronto  interno.À medida que vou conseguindo me livrar do turbilhão e  da ansiedade, essa  inimiga leal que nunca me abandona totalmente,roubam sem piedade toda a minha criatividade.É quando caio na inércia.  

    Ah! detesto regras, embora tenha consciência de que quase sempre existem para o nosso bem, porém, nem sempre vêm  acompanhadasde justiça.
Nem por ninguém!
Só se deve morrer de puro amor!
Nunca ninguém sabe
Nunca ninguém sabe se estou louco para rir ou para chorar
Pois o meu verso tem essa quase imperceptível tremor...
A vida é louca, o mundo é triste:
vale a pena matar-se por isso?
Mario Quintana