terça-feira, 14 de outubro de 2014





                                             QUERIDOS PROFESSORES...


  Quero aqui cumprimentá-los por mais uma data em que é comemorado o" NOSSO DIA". E, sem humildade nenhuma... pois entreguei-me de corpo e alma  àqueles a quem dediquei  o meu trabalho, ao mesmo tempo em que realizava o meu grande sonho de infância, podendo dizer com orgulho que somos a única classe capaz de exercer simultaneamente o poder de ser a " maior" e a "menor", de acordo com o contexto social atual.
  Explico: somos o profissional com "maior" responsabilidade,por sermos  formadores de todas as demais classes trabalhadoras.Inclusive classes que depois passam a ter um poder muito grande de nos humilhar...
" Maior" coração de todas as classes. Nele cabem os nossos familiares, amigos e os nossos queridos alunos que são responsáveis por uma grande parcela da nossa felicidade.Os últimos então passam a fazer parte das nossas vidas mesmo após anos de separação.São sempre lembrados...uns por serem muito estudiosos e outros por quebrarem o marasmo das salas de aula, srrsrs.Por incrível que pareça, nós os amamos da mesma forma.
"Maior"carga de trabalho diário,sem levar em conta as horas em sala de aula."Maior"quantidade de incompreensão por parte da sociedade e mesmo da comunidade escolar, com exceções claro, pois temos pais e alunos  que nos apoiam; desde que não estejamos sempre envolvidos em reivindicação pelos nossos direitos...ou melhor, greve!"MAIOR", de longe campeã em cobranças de todos os lados!
  Bem... se lembrarem algo mais complementem, por favor!
 "Menor"quantidade de pais engajados no aprendizado do filho como parceiros extraclasse, menor valorização tanto financeiro quanto  no social chegando por  vezes a uma pequena insignificância. Também há exceções, pois se o profissional já é de origem tradicional o tratamento muda. Enfim, isso é só uma pequena mostra, pois, parece-me que agora a coisa está  cada dia pior.
  Mas sabe! Ser professor, receber o carinho do seu aluno, mesmo que raramente, ver o sorriso da criança estampado no rosto após uma nota alta ou ao receber o nosso carinho é ...indescritível!
  Creio que hoje eu faria muitas coisas diferentes. Eu seria menos intransigente,mais carinhosa e talvez mais sábia nas decisões com os meus pequenos. Sei que sou renegada por uns, mas muito amada por outros.      Hoje eles também têm a capacidade de entender que a minha forma de amar era aquela. Querer que eles fossem um dia os melhores cidadãos.
  E sei que esse é o objetivo de todos vocês meus colegas maravilhosos. Se vocês chegaram onde estão não foi por acaso, e sim, por muito esforço e capacidade. 
     Parabéns meus amados colegas! Que um dia o nosso ai´s possa entender o grande valor do PROFESSOR!
 Salve 15 de outubro! 

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Gente! Revi minha infância....espia que lindo!
Janaine Pires leia pra Belle
Poema para Isabelle....
O retireiro
Sueli Batista Damasceno
Lá de longe o piado da coruja chega aos ouvidos
Do retireiro sonolento, já é hora de levantar
E nas madrugadas geladas põe-se em pé
O homem... e lança mão do balde .da cordinha do banquinho...
Dá um assobio cumprido pra sua fiel cadela
Range a porteira do curral..renque,,,renque........
E começa sua lida senta-se agarrado no ubre da Mimosa
O primeiro golinho é da Marquesa chep chep......
O som que acorda o dia é de alegria chuq chuq chuq....é o som de poesia...do sertão
Dali ele tira o sustento e alimenta a sua prole
E na espuma espessa do leite branquinho ..branquinho
Sobra-lhe tempo para sonhar...
O sol já brilha e na porta da cozinha Tonha já o espera
No fogão tem café fumegando ...A loura Rosa grita qué café loura,,,,,,,qué café,
Na mesa tem pão de queijo, bolo e pão caseiro roliço e quentinho....e queijo de meia cura, eita coisa boa
É a vida assim e assim...Lá em Pontes Gestal...
Sentam-se a volta da mesa a família .
Dão graças por um dia de labor que raiou e rezam cochichando......
Deus está ali...
E retireiro feliz nem percebe que o café fumegante
Faz desenho de uma flor e de um coração
O coração da Isabelle, sua princesa amada
A Tonha levanta e diz :
Vamos pra lida meu véio..........a criação precisa comer...
Ele contente diz
Se vamo então...minha véia
Três Lagoas 09/10/14
10h 59

domingo, 7 de setembro de 2014



A Pátria

             Sueli Batista Damasceno

glitters

Essa pátria que eu amo
Tem tantas coisas que não amo!
Amo a natureza e desamo
-desmatamento e queimadas!
Essa pátria que eu amo
Tem rios maravilhosos, caudalosos imensos,
Verde claro, verde escuro.
Amo os rios e desamo
A poluição destruidora
Que homens insensatos praticam!
Essa pátria que amo tem animais
Pássaros, joaninhas, borboletas e.
Canário cantador
Amo o canto dos pássaros e o chilrear dos insetos
Desamo a arma do predador
Que dá fim nos meus amores!
Essa pátria que amo tem crianças
Moleque de rua, sem terra,
Sem escola, sem amor.
Tem gente negra, morena trigueira que.
Juntos com os índios que
Aqui tem, enfeitam minha.
Terra amada idolatrada
Salvo, salvo
Eu amo os moleques de rua,
As gentes morenas trigueiras
Desamo, aqueles que sem.
Nenhum amor, sem pudor.
Faz sofrer, bate judia•.
Dos meus amores
Essa pátria que amo
Será mesmo que tem independência?
Eu, as independências que tenho e amo são :
- ser poetisa...ser professora... e ser uma mulher que me basto!



E ser brasileira Graças à Deus!!!

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Está chegando
                                  Sueli Batista Damasceno

Os ventos de agosto vão se amenizando
Logo já se transformam em brisa amena e serena...
É Setembro!
Daqui a pouco chegam as flores ...desabrocham rosas e jasmins, por todo o jardim
Roseiras exibem sua beleza sem igual...
O ar exala perfume de muitos cheiros
As jardineiras vestem-se de festa
E o chão, parece tapetes tricotados pelas mãos divinas
Todas as cores... Todos os aromas!
Todos os amores!
Criança feliz , céu de cor anil e a passarada faz razantes de tanta felicidade
Enamorados se olham
E a vida primaveril segue na minha cidade
Não fora a primavera, não teríamos
A sabedoria dos outonos que tanto nos ensinam
Não fora o rigor do inverno,
não saberíamos a delicia do sorvete de casquinha
Do verão que traz um sol dourado...
Mercê dos que valorizam cada pétala de flor...
E a vida na minha cidade segue primaveril.

Três Lagoas, 04 de setembro de 2014.
9h40min

domingo, 31 de agosto de 2014


Flores abertas 

                 Sueli Damasceno




Flores se abrindo, ficam assim tão sem ninguém!

Ficam à mercê dos amantes!
Despetaladas enfeitam caminhos nupciais...
Ou volúpias de loucos apaixonados.
Talvez quem sabe suas pétalas serão cheiradas...
Com rudeza, por alguém que perdeu a beleza...
E da vida a clareza!
Flores se abrindo... vão..vão...abandonadas.
Melhor fora estar fechada, para não sofrer!
Para viver um pouco mais!
Fechada cheirando seu próprio perfume!
Cheirando e morrendo...
Morrendo e vivendo!
Flores quando se abrem, dá-se a um total abandono!
Mercê dos enamorados!
                                 
                         

terça-feira, 26 de agosto de 2014

                                                        Inércia


            Chega uma suave brisa e, com ela, a incansável cortina da noite,
            As luzes da cidade grande parecem cansadas,um pouco foscas...
            Talvez pela incerteza do imprevisível conjunto de reações humanas.
            Enquanto naquele molhado gramado daquela casinha lá longe!
            Essa mesma brisa suave chega esbaforida pela felicidade...
            Ansiosa para aliar-se à cortina da noite em busca das mais brilhantes estrelas. 

            Ambas sabem que ali ocorre o encontro dos mais belos sentimentos. 
            Misturando diferentes seres, porém, munidos de admiração e respeito.
            Onde relva, água e seres esperam-nas na mais perfeita sintonia...
            É o lugar onde simplicidade e sabedoria embora permaneçam inertes,
            Cultivam em abundância as mais belas, sinceras e previsíveis reações humanas.
            Essa casinha, talvez pouco analisada possa ser o nosso coração em busca de luz.

                                                                         Velu 

         
           




       

sábado, 9 de agosto de 2014

              Épocas

Houve épocas em minha vida
Que apaixonada por um vestidinho vermelho
de salpique e bolinhas 
Descia as ruas da minha Cidade De Dracena
Saltitante, fita no cabelo e sapatinho de verniz
Parecia ouvir os pássaros dizerem:
_Ela já é quase moça, linda moça!

Houve épocas em minha vida
Que contemplei as mutações do meu corpo
Que de menina, passava ser mulher!
Seios duros, coxas firme ...
Pensamentos soltos!

Houve épocas em minha vida
Que acreditei nas pessoas, nos homens!
E ria, ria muito
Mas perdi a fé, pedi a morte
E cultivei a morte

Houve épocas em minha vida
Que cessou meu sorriso
E chegaram as lagrimas
E a intensa procura do “Eu”

Houve épocas em minha vida
Que eu amei um homem
Tornei-me fértil !!!
Plantei sementes e ganhei três belos frutos
Híbridos, talvez!

Houve épocas que nasci e sorri
Que morri...de tanto chorar
Que pari...que cri!
Vivi para servir
Servi a outrem ,para sorrir
Sorri para viver.

Foto: Épocas
     Sueli Batista Damasceno 

Houve épocas em minha vida
Que apaixonada por um vestidinho vermelho 
de salpique e bolinhas 
Descia as ruas da minha  Cidade De Dracena
Saltitante, fita no cabelo e sapatinho de verniz
Parecia ouvir os pássaros dizerem:
_Ela já é quase moça, linda moça!

Houve épocas em minha vida
Que contemplei as mutações do meu corpo
Que de menina, passava ser mulher!
Seios duros, coxas firme ...
Pensamentos soltos! 

Houve épocas em minha vida
Que acreditei nas pessoas, nos homens!
E ria, ria muito
Mas perdi a fé, pedi a morte
E cultivei a morte

Houve épocas em minha vida
Que cessou meu sorriso
E chegaram as lagrimas
E a intensa procura do “Eu”

Houve épocas em minha vida
Que eu amei um homem
Tornei-me fértil !!!
Plantei sementes e ganhei três belos furtos
Híbridos, talvez!

Houve épocas que nasci e sorri
Que morri...de tanto chorar 
Que pari...que cri!
Vivi para servir
Servi a outrem ,para sorrir
Sorri para viver.
Curtir
                     MINHA QUERIDA AMIGA SUELI  DAMASCENO  (Autora)                                                 GRANDE POETISA